18.9 C
Balneário Camboriú

Nós Balneário Camboriú

BC tomará equipamentos de UTI por dívida de IPTU do Hospital Santa Inês

O Hospital Santa Inês deve cerca de R$ 1,6 milhão em impostos atrasados (IPTU) de 2011 a 2013

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

good newshot

UniSociesc está com Plantão on-line de Condições Especiais

Siga construindo seu futuro estudando em uma das melhores instituições de ensino do Sul do País

Unimed será patrocinadora da roda gigante de Balneário Camboriú

Mensagens publicitárias da Unimed serão veiculadas nos monitores de vídeo instalados nas 36 cabines da roda gigante e nos painéis do empreendimento
Siga-nos no Google News

O desembargador Jorge Luiz de Borba, em decisão monocrática nesta quinta-feira (13), deferiu pedido de antecipação de tutela recursal para autorizar a substituição de penhora em execução fiscal movida pelo município de Balneário Camboriú contra o Hospital Santa Inês que se encontra desativado neste momento.

LEIA TAMBÉM:
Idosos do asilo de BC voltam a receber visitas com auxílio de uma cortina de proteção

Com isso, a administração abre mão de recursos financeiros que ficariam depositados em juízo para, até o limite do valor do crédito que lhe é devido, tornar-se depositária de equipamentos hospitalares existentes no setor de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) da instituição, entre eles eletrocardiógrafo, oxímetro, monitor multiparamétrico e, principalmente, ventilador pulmonar.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

O pleito fora negado em 1º grau porque, entre outros motivos, seu atendimento poderia representar desrespeito à hierarquia prevista na Lei de Execução Fiscal (LEF). O Hospital Santa Inês deve cerca de R$ 1,6 milhão em impostos atrasados (IPTU) de 2011 a 2013. Em agravo de instrumento, contudo, o município demonstrou a viabilidade de seu pedido, em análise do desembargador Borba.

‘O argumento do agravante é singelo e convincente: se a ordem de preferência do art. 11 da LEF foi estabelecida em seu proveito enquanto credor, não haveria razão para negar-lhe o direito de dela abdicar, ainda mais quando o faz no intento de fazer frente às notórias necessidades hospitalares que advieram com a pandemia da Covid-19. O nosocômio em questão, ademais, estaria desativado e os respectivos equipamentos hospitalares, que incluiriam respiradores artificiais para uso em UTIs, estariam ociosos”, registrou o relator.

Outro ponto destacado pelo desembargador em sua decisão é que o risco de dano grave e de difícil reparação, in casu, decorre do prejuízo potencial à saúde pública se permanecerem ociosos os equipamentos hospitalares em questão em tempos de pandemia. O cumprimento da medida, se necessário, poderá se valer do uso de força policial para efetivação.

PUBLICIDADE

Guardas municipais de BC envolvidos em agressão são condenados

O GM que cometeu as agressões perdeu a função pública, e o GM que nada fez para cessar as agressões pagará multa civil

Mais dois foragidos são capturados pela Guarda Municipal em BC

Foragidos foram presos na Avenida do Estado e na Quinta Avenida
PUBLICIDADE

NOTÍCIAS DE

Balneário Camboriú

SOCIAL PROOF

213,996FansLike
36,955FollowersFollow
185SubscribersSubscribe

COMENTE

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE
Enviar mensagem
Envie sua notícia
Envie sua NOTÍCIA ou sua DENÚNCIA para a nossa equipe de jornalismo!