Nós Balneário Camboriú

18.9 C
Balneário Camboriú

Suposto ‘falso médico’ colocava estagiárias da Inclusão Social para vender máscaras

Nome do voluntário consta no Portal da Transparência como estagiário de marketing, lotado no Gabinete da Secretaria de Desenvolvimento e Inclusão Social

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Siga-nos no Google News

A repercussão da denúncia sobre um suposto falso médico estar atuando em ações do coronavírus em Balneário Camboriú, trouxe à redação do Camboriú News novas informações, que colocam em cheque o trabalho que ele estaria realizando.

A denúncia foi levada à tribuna da tribuna da sessão ordinária na Câmara de Vereadores da última terça-feira (07) pelo vereador Nilson Probst (MDB), que apontou que o “falso médico” estaria trabalhando no atendimento da covid-19, consultando e emitindo receitas sem ter a devida formação acadêmica.

A secretária de desenvolvimento e inclusão social, Christina Barichelo, logo se manifestou explicando que Jonathan Henrique da Rosa Reyes foi recrutado como estagiário para ajudar nas ações de distribuição de máscara, conscientização sobre a necessidade do distanciamento e para atuar no atendimento de um abrigo, instalado provisoriamente para pessoas em situação de rua no Bairro das Nações.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Segundo a secretária, Jonathan não foi absorvido para o exercício ilegal da medicina e não há informação de que ele tenha mantido essa conduta ou feita alguma prescrição, pois estaria sendo acompanhado por profissionais da assistência social e da saúde.

Estagiário de Marketing

Segundo Jonathan, que se manifestou em uma nota de esclarecimento, repudiando a denúncia do vereador, ele exerceu a função de voluntário entre 22/03 e 22/05. O que ninguém explica é por que seu nome consta no portal da transparência como estagiário de marketing, contratado na data de 21/05/2020, já que pelo documento apresentado à prefeitura, Jonathan estaria cursando o primeiro ano de medicina na Universidade Privada Maria Serrana, no Paraguai.

Colocava estagiárias para vender máscaras

Após a repercussão do caso, uma ex-estagiária da Casa da Mulher procurou o Camboriú News para fazer uma denúncia contra o voluntário. A estudante do curso técnico em enfermagem conta que Jonathan se apresentava como médico para as estagiárias que ele coordenava e para o público durante as ações realizadas. “Ele tinha muita lábia com tudo mundo”, revela. A estudante relata que chegou a presenciar o “doutor” prometendo atestado médico para um rapaz que morava no mesmo prédio que ele.

A voluntária expôs que, no início, quando havia supervisão do CRAS, ele coordenava ações pelas ruas onde as máscaras disponibilizadas pela prefeitura eram distribuídas para a população, com um porém: não podiam ser doadas para moradores de rua. Quando os grupos foram divididos, ela ficou em um grupo supervisionado apenas por Jonathan, que passou a “quase obrigar” as voluntárias da prefeitura a realizarem a venda das máscaras, dizendo que parte do lucro arrecadado com as vendas seriam distribuídos para a “ONG Renascer”, que ele alega ser o proprietário, e o restante do lucro seria dividido para outra instituição e para a própria Casa da Mulher e do Voluntário de Balneário Camboriú.

Em uma embalagem da ONG Renascer, as máscaras passaram a ser vendidas, 3 por R$5,00, ou trocadas por alimentos, mas a prioridade era o dinheiro. Ele colocava meta de venda e não participava das ações, alegando compromissos no Hospital Ruth Cardoso. Jonathan afirmava para as estagiárias que parte do dinheiro arrecadado e dos alimentos seriam levados para a Casa das Anas e que elas iriam junto para conhecer o lugar, fato que nunca aconteceu. A voluntária diz que se sente enganada e resolveu relatar o fato para que a história seja esclarecida.

O Camboriú News entrou em contato com a Casa das Anas, que é um abrigo que oferece acolhimento institucional para mulheres em situação de violência. Questionados se vendiam máscaras, a instituição afirmou que sim. Porém, a venda nunca foi feita em conjunto com a inclusão social de Balneário Camboriú, tampouco fizeram parcerias com Jonathan ou receberam qualquer doação da parte dele ou da ONG Renascer. A instituição informou que após ter conhecimento do ocorrido irá registrar um boletim de ocorrência.

Tentamos confirmar se a Casa da Mulher e do Voluntário realiza a venda de máscaras, mas não tivemos retorno.

Receba notícias de Balneário Camboriú e região pelo Telegram do Camboriú News

good news
especial publicitário

PUBLICIDADE

1 COMENTÁRIO

COMENTE

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

* Os comentários publicados são de absoluta responsabilidade de seus autores, e não devem ser entendidos como posicionamento do Camboriú News e seus editores.

camboriú shop