18.9 C
Balneário Camboriú

Nós Balneário Camboriú

ASSUNTOS DO MOMENTO:

Juiz alerta que Estado e Municípios podem ‘falir’ com prorrogação do prazo de ICMS

O magistrado utilizou publicações jornalísticas para lembrar a perda computada no final de abril, de R$ 811 milhões, que deixaram de ser arrecadados em ICMS

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

good news

Abertas inscrições para o processo seletivo do Bolsa Enem UniSociesc

A participação é gratuita e o cadastro pode ser feito pelo site unisociesc.com.br/enem ou pelo aplicativo “Sou Unisociesc”
00:01:07

Esteja seguro com as fechaduras da Casa das Chaves

A Casa das Chaves é especializada em fechaduras e possui equipamentos de alta resistência para a sua segurança
Siga-nos no Google News

Além de não ser competência do Poder Judiciário, determinar a prorrogação do prazo de vencimento de tributos estaduais para 35 mil empresas catarinenses, por três meses, comprometeria o combate ao coronavírus em Santa Catarina.

Essa foi uma das considerações do juiz Rodrigo Clímaco José, que responde pela Vara Única de Itá e pelas ações tributárias estaduais de Chapecó, Seara, Itá, Concórdia, Ipumirim, Coronel Freitas e Xaxim, ao indeferir pedido de liminar da Federação das Associações Empresariais de Santa Catarina (Facisc) e de 30 associações comerciais, empresariais e industriais do Oeste e Extremo Oeste para prorrogar o vencimento dos impostos estaduais ICMS, IPVA e ITCMD para o terceiro mês subsequente, até o final de 2020.

A decisão foi proferida na tarde da última segunda-feira (04). O magistrado utilizou publicações jornalísticas para lembrar a perda computada no final de abril, de R$ 811 milhões, que deixaram de ser arrecadados em ICMS. “A concessão de moratória para todas as empresas, sem a fixação de critérios específicos, ensejará um colapso da arrecadação e das contas públicas, justamente neste momento em que o combate emergencial à pandemia da Covid-19 exige um aumento significativo – e não previsível – dos gastos na área da saúde por parte do Estado e, a longo prazo, de recursos para instituir medidas fortes de injeção de dinheiro na economia”, considerou o juiz.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Ao reduzir a arrecadação do governo, prossegue o magistrado, as empresas manteriam a geração de lucro próprio mas a promoção de políticas públicas seria inviabilizada, especialmente na área da saúde para o combate da pandemia. De acordo com Clímaco, “(…) as pessoas talvez consigam manter seus empregos mas, se quiserem procurar um médico na rede pública para se tratar de qualquer doença, provavelmente não conseguirão, pois não haverá equipamentos, medicamentos e talvez nem médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem – afinal, provavelmente não haverá verba para pagar os salários destes. Consequentemente, não poderão abrir suas empresas, pois os funcionários estarão doentes, e voltaremos à ‘estaca zero'”.

Além disso, o juiz apontou que vários Municípios, principalmente os menores, apenas sobrevivem por conta do repasse de ICMS. Segundo ele, “deve-se pensar nas consequências da decisão e, em caso de deferimento, o Estado de Santa Catarina e vários Municípios iriam ‘falir’, se isso fosse possível”.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

COMENTE

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

RECEBA

newsletter

SOCIAL PROOF

206,416FansLike
36,955FollowersFollow
185SubscribersSubscribe

PM capturou, possivelmente, um dos maiores ladrões de bicicletas em condomínios

Indivíduo capturado teve a primeira ocorrência registrada por furto de bicicleta no ano de 2006

Ruas 3122 e 3100 terão trânsito alterado nesta quarta-feira

Ligação da Marginal Leste até a Rua 3100 pela Rua 3122 faz parte do conjunto de obras que irá melhorar a mobilidade na região sul da cidade

Ação contra o crime em BC faz mais de 300 abordagens no fim de semana

De sexta até domingo à noite, a GM realizou ao todo 317 abordagens
PUBLICIDADE
Enviar mensagem
Envie sua notícia
Envie sua NOTÍCIA ou sua DENÚNCIA para a nossa equipe de jornalismo!