18.9 C
Balneário Camboriú

Prefeito tem bens congelados por supostas irregularidades na contratação de totens

MP acusa agentes públicos de supostas irregularidades na contratação dos Totens de Segurança instalados na cidade; "Não há má fé", alega defesa

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

good news

UniAvan investe em aulas online durante pandemia do Coronavírus

A iniciativa abrange todos os cursos da instituição, inclusive as turmas do colégio UniAvan

Quarentena? Temos delivery de marmita caseira com desconto

São oito opções de combos pra contribuir na rotina alimentar da sua família nesse período de isolamento

A Juíza Adriana Lisboa acatou, em partes, nesta segunda-feira (03), uma denúncia do Ministério Público que acusa agentes públicos de supostas irregularidades na contratação dos Totens de Segurança instalados na cidade.

Na decisão liminar, a Juíza recebeu e acatou parcialmente a denúncia. Ela determinou, cautelarmente, a indisponibilidade dos bens móveis e imóveis, da empresa Helper Tecnologia e seus sócios, bem como do prefeito municipal, do ex-secretário de compras, da ex-gestora do FUNTRAN e de um agente de trânsito, que na época, foi designado como fiscal do contrato.

O congelamento de bens é uma medida cautelar de praxe baseada no Art.16 da lei de improbidade administrativa, e pode ser usada sempre que houver “indícios” de supostas irregularidades. Lembrando que a decisão da juíza em congelar os bens é uma “medida cautelar” e não uma decisão definitiva. A medida cautelar é usada para garantir um “possível” ressarcimento aos cofres públicos, se comprovado o dano ao erário.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

A denúncia tratada como “supostas irregularidades”, pois o Ministério Público se baseou em uma denúncia anônima que trouxe um amontoado de informações, links e imagens, criando algum tipo de “teoria da conspiração” para acusar a administração municipal de algum ato de improbidade. A acusação trata-se de indícios que deverá ser provadas pelo autor (MP) no andamento do processo.

Os Totens de Segurança já foram alvos de denúncia do Ministério Público há um tempo atrás. A denúncia foi arquivada por não haver indícios de irregularidades na contratação, por inexibilidade licitatória, dos equipamentos pelo valor de pouco mais de R$1,6mi.

Por recomendação do próprio MP, ao invés de renovar o contrato, a prefeitura lançou a licitação para a nova contratação, onde apareceu mais duas empresas concorrentes. A Helper Tecnologia, que já fornecia os equipamentos, ofereceu um valor bem abaixo do que havia sido contratada, o que chamou a atenção do Ministério Público.

Durante a licitação, a Helper ganhou a concorrência ainda na proposta de preços, sem ser possível saber nem mesmo se as empresas que concorreram tinham mesmo o equipamento previsto no edital e capacidade técnica. Essas informações devem ser levantadas durante o processo.

Na época, a empresa se manifestou alegando que já havia feito o investimento em equipamentos e instalação dos mesmos, e manter os equipamentos funcionando na cidade, mesmo com um valor abaixo do que era contratado, se manteria viável mesmo assim até mesmo pela visibilidade.

O escritório Cavalcanti & Zenatti Advogados representa o prefeito na ação. Em contato feito pela reportagem, o advogado Lucas Zenatti afirma que não há nenhuma irregularidade ou má-fé, que agora será oportunizada o contraditório e ampla defesa. “MP baseou sua ação em denuncias anônimas e a decisão é provisória, e segue a cautela com o fim de melhor apreciar os fatos. Não aponta em definitivo existência de irregularidade, a qual será esclarecido no mérito(ação)”, completou Zenatti.

O que diz o prefeito:

“Sobre a decisão da Justiça no processo de contratação dos equipamentos de monitoramento e segurança da nossa cidade quero afirmar que:

1. Fiz exatamente o determinado e permitido por lei. Tenho a consciência tranquila de que tudo foi feito corretamente e dentro dos limites e imposições legais;

2. O processo, como todos durante o meu governo, passou por todas as fases internas de controle dentro da PMBC;

3. Seguirei defendendo tudo o que foi feito pelo meu governo neste caso, por ter certeza de sua legalidade nesse processo. Submeterei a decisão, através de recurso, ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

4. O MP baseou a ação em denuncias anônimas e contra o anonimato eu não posso lutar;

5. A decisão é provisória e não aponta em definitivo existência de irregularidade, a qual será esclarecido no mérito do contraditório e ampla defesa, quando certamente se provará a inexistência de qualquer irregularidade ou má-fé.

6. Reitero minha confiança na Justiça com a certeza de que provarei a regularidade e a lisura do processo administrativo.

7. Por fim, defenderei meu ÚNICO patrimônio – minha honra, com todas as forças da minha vida!

Fabrício Oliveira”

via Portal Visse?

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE

veja também

PUBLICIDADE

RECEBA

newsletter

SOCIAL PROOF

198,225FãsCurtir
32,595SeguidoresSeguir
72SeguidoresSeguir

Quarentena leva 148 mil pessoas ao desemprego em Santa Catarina

A pesquisa foi realizada pelo Sebrae/SC nos dias 30 e 31 de março e é referente aos 15 dias de isolamento social praticado no estado até o dia 29 de março

Acadêmicos dos cursos de saúde poderão trabalhar como voluntários em BC

Os acadêmicos dos cursos da área da saúde auxiliarão nas atividades de frente, que serão abertas com a chegada dos testes rápidos para coronavírus

Dengue também é uma doença perigosa que precisa ser combatida

Balneário Camboriú está entre os municípios infestados pelo mosquito Aedes Aegypti em Santa Catarina
PUBLICIDADE
Enviar mensagem
Envie sua notícia
Envie sua NOTÍCIA ou sua DENÚNCIA para a nossa equipe de jornalismo!
Powered by