Nós Balneário Camboriú

18.9 C
Balneário Camboriú

Após desafios em 2023, temporada da Tainha de BC promete melhorias em 2024

Após uma temporada conturbada em 2023, a temporada de Pesca da Tainha de 2024 começa nesta quarta-feira, 01, com novidades na infraestrutura e fiscalização

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Siga-nos no Google News

Após uma temporada de Pesca da Tainha conturbada no ano de 2023 em Balneário Camboriú, a temporada de Pesca da Tainha de 2024 começa nesta quarta-feira (1º de maio), com novidades na infraestrutura para possibilitar mais conforto aos pescadores artesanais e melhor desempenho da atividade.

Nesta temporada, serão dez pontos identificados para a pesca espalhados nas praias do município, conhecidos como ranchos. Diferente da temporada de 2023 onde os pescadores amargaram com tendas improvisadas oferecidas pela prefeitura, nesse ano os três ranchos da Praia Central (localizados na altura das ruas 2700, 3700 e 4100) terão dois contêineres (um com banheiro) e duas tendas para dar apoio à vigília dos cardumes e para a cozinha.

Os contêineres, que têm área de descanso, vão receber energia elétrica. Todos serão adesivados com identidade visual, para que os moradores e turistas estejam cientes do período da pesca.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Nas Praias Agrestes, serão instaladas tendas de apoio em Laranjeiras, Taquarinhas, Taquaras, Pinho, Estaleiro e Estaleirinho. Em Taquarinhas, haverá um banheiro químico. Os pescadores também ganharão camiseta com o nome do rancho ao qual pertencem.

Além da falta de infraestrutura em 2023 os pescadores, principalmente da Praia Central, sofreram com a falta de fiscalização sobre as regras e normas que entram em vigor durante a temporada, que vai até 31 de julho, onde é proibido o uso de jet skis, lanchas rebocadoras e embarcações motorizadas nas orlas das praias. Não é permitida a armação de redes de pesca tipo feiticeira e de malha, além da utilização de cilibrim e fisgas.

De acordo com a prefeitura, para a temporada da Tainha em 2024 a Semam contratará uma empresa com lancha e marinheiro para auxiliar na fiscalização. Também será usado um quadriciclo durante a safra. Haverá ainda atividades de educação ambiental com os pescadores.

As melhorias resultam de reuniões ocorridas entre representantes da Prefeitura e da Colônia de Pescadores Z-7. Em 2024, a Fundação Cultural investiu mais de R$ 170 mil na pesca artesanal da tainha, considerada patrimônio cultural imaterial de Balneário Camboriú. Os investimentos da Secretaria do Meio Ambiente (Semam) foram de cerca R$ 150 mil.

A safra tem o apoio da Prefeitura e da Polícia Militar. A Fundação Cultural e Secretaria do Meio Ambiente atuarão com a Colônia de Pescadores Z-7 fornecendo estrutura e orientações e fiscalizando a atividade.

Os ranchos

  • Rancho dos Rapazes – Praia Central – altura da Rua 4100
  • Rancho Vô Luiz – Praia Central – altura da Rua 3700
  • Rancho da Selma – Praia Central – altura da Rua 2700
  • Rancho da Praia de Laranjeiras – Laranjeiras
  • Rancho da Praia de Taquarinhas – Taquarinhas
  • Ranchos da Praia de Taquaras (dois ranchos) – Taquaras
  • Rancho da Praia do Pinho – Pinho
  • Rancho da Praia do Estaleiro – Estaleiro
  • Rancho da Praia do Estaleirinho – Estaleirinho

Saiba mais sobre a pesca artesanal da tainha

  • Os cardumes de tainha (Mugil liza) iniciam a migração reprodutiva, saindo dos estuários e lagunas costeiras para a desova no mar. É durante essa migração que acontece a captura do peixe.
  • As canoas usadas são as chamadas “canoas de um pau só” ou “canoas bordadas”. São esculpidas a partir de um tronco maciço de uma única árvore de garapuvu. As canoas são cada vez mais raras pela impossibilidade de abater a árvore.
  • As cores das embarcações não são aleatórias. As embarcações são pintadas de cores contrastantes para facilitar a visualização da canoa no mar.
  • Cada pescador tem sua função: o vigia (que fica no aguardo do cardume apontar no mar), dois remadores, um chumbereiro (que lança as redes), o patrão (que direciona o cerco). A puxada normalmente conta com ajudadores ocasionais (passantes voluntários, que são recompensados com uma fração do pescado).
  • Cerca de 200 famílias vivem da pesca artesanal da tainha em Balneário Camboriú.
  • A Lei nº 4.327, de 18 de outubro de 2019, declarou a pesca artesanal para captura de tainha patrimônio cultural imaterial de Balneário Camboriú.
  • A Lei nº 4.874, de 3 de abril de 2024, declara de valor histórico, cultural e social os Ranchos de Pesca de Tainha da Praia de Taquaras. No artigo 1º, a lei tomba como Patrimônio Cultural Material de Balneário Camboriú os ranchos coloquialmente denominados “Rancho do Neu” e “Rancho do Eládio”.

Receba notícias de Balneário Camboriú e região pelo Telegram do Camboriú News

good news
especial publicitário

PUBLICIDADE

COMENTE

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

* Os comentários publicados são de absoluta responsabilidade de seus autores, e não devem ser entendidos como posicionamento do Camboriú News e seus editores.