Respiradores do governo do Estado custam 3 vezes valor pago por Balneário Camboriú

Ao preço estratosférico de R$ 165 mil a unidade, o Governo do Estado pagou, adiantado, R$ 33 milhões a uma empresa de fundo de quintal de Nilópolis (RJ)

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

good newshot

UniSociesc está com Plantão on-line de Condições Especiais

Siga construindo seu futuro estudando em uma das melhores instituições de ensino do Sul do País

Unimed será patrocinadora da roda gigante de Balneário Camboriú

Mensagens publicitárias da Unimed serão veiculadas nos monitores de vídeo instalados nas 36 cabines da roda gigante e nos painéis do empreendimento
Siga-nos no Google News

O escândalo da compra de 200 respiradores pelo Governo do Estado a preço bem acima do mercado, e o pagamento adiantado desses respiradores sem – até agora – sinal de que serão entregues, tem sido o assunto das manchetes dos jornais catarinenses e das mídias sociais.

Ao preço estratosférico de R$ 165 mil a unidade, o Governo do Estado pagou, adiantado, R$ 33 milhões a uma empresa de fundo de quintal de Nilópolis, no Rio de Janeiro. A tal empresa, que se saiba até agora, nunca vendeu um único respirador anteriormente, e, segundo vídeo divulgado pelo senador Jorginho Mello (PL), quando se liga para o telefone que é divulgado como sendo da dita cuja, atende uma casa de massagem.

O superfaturamento dos equipamentos fica evidenciado quando percebe-se que Balneário Camboriú pagou em licitação por três respiradores para o Centro Municipal de Tratamento de Covid-19, o valor de R$ 66 mil cada. Em uma rápida pesquisa em sites de empresas especializadas, o valor desse tipo de equipamento varia de R$ 50 a 90 mil.

CONTINUA APÓS O ANÚNCIO

Empresas catarinenses como a WEG, de Jaraguá do Sul, já estão ajustando sua linha de produção para fabricar respiradores. Estado que sedia grandes empresas importadoras e exportadoras que servem aos portos catarinenses, uma das soluções do Governo do Estado poderia ter sido buscar estas empresas para intermediarem a compra dos aparelhos por preços decentes.

Mas, do nada, surgiu a empresa de fundo de quintal contratada por dispensa de licitação para a compra milionária. Explicação até agora, nenhuma. Um dia após ter estourado o escândalo no site Intercept, o governador Carlos Moisés fez um pronunciamento via redes sociais dizendo que o caso seria averiguado e que inquérito na Polícia Civil havia sido aberto. Uma funcionária de baixo escalão foi responsabilizada pela compra e exonerada.

A Assembleia Legislativa abriu CPI para investigar a compra. Há menos de um mês, outro escândalo, este da contratação de um hospital de campanha para Itajaí, no super valor de R$ 76 milhões, contratação cancelada depois do pedido de explicações de órgão reguladores e da cobrança da população, demonstra um modus operandi pra lá de suspeito do Governo do estado. Isso em plena pandemia do novo Coronavírus. Uma vergonha!

Um dos jornalistas investigativos que denunciou o escândalo dos “respiradores fantasmas”, Hyury Potter, havia denunciado no ano passado, suposto superfaturamento de helicóptero adquirido para o 12º BPM. A matéria foi divulgada pelo jornal Diarinho. Ironicamente, o comandante da época, Evaldo Hoffmann, é o pré-candidato do governador Carlos Moisés, para concorrer à prefeitura de Balneário Camboriú.
PUBLICIDADE

Assassino foragido é preso no bairro Monte Alegre

Polícia Militar cumpriu o mandado de prisão ao abordar veículo suspeito

MPF e Polícia Federal fazem busca na residência do governador Carlos Moisés

Os investigadores buscam provas da relação entre o governador, sua equipe e empresários que venderam 200 respiradores ao estado de Santa Catarina
PUBLICIDADE

SOCIAL PROOF

214,075FansLike
36,955FollowersFollow
185SubscribersSubscribe

COMENTE

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

PUBLICIDADE
Enviar mensagem
Envie sua notícia
Envie sua NOTÍCIA ou sua DENÚNCIA para a nossa equipe de jornalismo!